Tag: cotidiano

Estratégias para Educação Ambiental – Sesc Campo Limpo

Em junho, mês do meio ambiente, estaremos no Sesc Campo Limpo com oficina direcionada para Educadores.

As inscrições estão abertas para os dias 02/06, 16/06 e 23/06!

A oficina é gratuita e as vagas limitadas.

Oficina para Educadores no Sesc Campo Limpo

terrários

Oficina de Terrários – 26/04!

11110877_403951369776004_6417834690730695884_n

O objetivo da Oficina de Terrários é proporcionar o contato direto com a natureza através da prática de micro jardinagem, possibilitando o aprendizado de como montar um terrário a partir do entendimento das necessidades naturais de cada espécie, observando seus ciclos, tal como acontece na natureza.

COLOQUE AS MÃOS NA TERRA CONOSCO!

A oficina acontecerá no dia 26 de abril, das 11:00 às 14:00, aqui em São Paulo, na rua Ministro de Godói, 471, no bairro de Perdizes – bem pertinho do Parque da Água Branca.

Além de aprender técnicas de cultivo de diferentes tipos de terrários, cada participante vai colocar as mãos na terra para criar seu próprio terrário fechado de musgo e levá-lo para casa!

As vagas são limitadas e para participar é preciso se inscrever antecipadamente.

Até breve!

Ambiente Circular no Terra Rara!

-2

Na semana passada estivemos no programa Terra Rara, da Rádio Moarandu, contando sobre a trajetória do projeto Ambiente Circular e nossas perspectivas.

Confira trechos do programa:

 thumbs

O programa Terra Rara vai ao ar todas as quintas feiras, às 20:00, pela web (www.radiomoarandu.com.br/radio) e tem como foco ecologia e sustentabilidade, apresentando entrevistas, considerações e debates sobre questões da atualidade que afetam a qualidade de vida do planeta.

Nossos agradecimentos a Ruy de Oliveira Jacques, Luiz Deganello e Beatriz Goldman

“Azar do Brasil”, Ruy Castro

O retrato da desconexão com o interesse público na coluna de hoje (19/04) de Ruy Castro na Folha de São Paulo, abaixo transcrita.

“A presidente da Petrobras, Graça Foster, disse ao jornal gaúcho “Zero Hora” que “acha lindo engarrafamento”, pois “seu negócio é vender combustível”. E informou, orgulhosa: “Estou faturando”. Pelo visto, parece satisfeita com os engarrafamentos que vê a bordo de seu helicóptero ou de que toma conhecimento pelo rádio e pela TV.Como o verbo é livre a ponto de comportar tais afirmações, atrevo-me a dizer que preferiria uma pessoa mais delicada à frente da Petrobras. Por mais que tenha vindo ao mundo para vender gasolina, seu cargo não a autoriza a se comportar como uma frentista de estrada. A Petrobras deve ter compromissos com o povo que a sustenta, e não apenas com o conteúdo dos buracos que perfura.É verdade que a culpa dos engarrafamentos não é exatamente sua, mas do governo a que pertence –o qual vive baixando alíquotas e estimulando a produção e venda de carros para fechar suas contas, com o que asfixia e torna inabitáveis nossas cidades. Isso a despeito da tendência internacional a devolver as cidades aos cidadãos, tirando carros da rua e estimulando o transporte público, as bicicletas e a simples caminhada.

Sei também que o pensamento de Graça Foster deve repetir o de todos que a antecederam na presidência da Petrobras, e que a esta cabe somente cuidar de seus negócios, não “pensar o país”. Talvez devêssemos até agradecer-lhe por ser tão franca: ao contrário de seus antecessores, mais dissimulados, ela torce explicitamente pelo carro, pelo engarrafamento, pelo mau humor no trânsito, pela poluição, e contra o cidadão que lhe paga o salário e compra a sua gasolina.

A tal desprezo pelo equilíbrio urbano e pela qualidade de vida dos brasileiros das cidades, deve corresponder um equivalente pelos contínuos estragos ambientais provocados por sua empresa. Azar do Brasil.”